terça-feira, 22 de maio de 2018

Notícias Wing Chun ; Brazilian Wing Chun academy fecha parceria com Clube da PM em Recife

Wing Chun News; Brazilian Wing Chun academy partners with Military Police Club in Recife


( Chi Sau com João )
(Playing Chi Sau with João)

Há alguns meses, nossas sessões de treinamento já não ocorrem mais em Olinda ( acima na foto). De fato, como sempre buscamos as melhores condições para dar continuidade ao trabalho desenvolvido pelo núcleo Recife da BWCA,e honrar a confiança que SiFu tem em nosso grupo, acabamos por optar pela parceria com um dos locais de maior prestígio dentro do nosso estado...

Assim sendo, o núcleo Recife da Brazilian Wing Chun Academy agora atua em conjunto com o Clube dos oficiais da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros de Pernambuco.

A few months ago, our training sessions were no longer in Olinda (above). In fact, as we always seek the best conditions to continue the work carried out by the Recife core of BWCA, and to honor SiFu's confidence in our group, we have decided to partner with one of the most prestigious locations in our state .. .


Thus, the Recife nucleus of the Brazilian Wing Chun Academy now acts in conjunction with the Club of the Military Police and Fire Brigade of Pernambuco.


Nossas sessões de treinamento tem seguido o mesmo padrão da nossa escola Sede em Salvador, como sempre. No entanto, neste novo local de treinamento, contamos com pelo menos três ambientes para a prática ( Wiskeria com sala climatizada, praça do quiosque e Salão) e toda a estrutura necessária para a guarda de equipamentos de treinamento, horários para eventos extras,entre outros benefícios.

Our training sessions have followed the same pattern as our Headquarters in Salvador, as always. However, in this new place of training, we have at least three environments for practice (Wiskeria with heated room, kiosk square and Salon) and all the necessary structure for guarding training equipment, schedules for extra events, among others benefits.

    ( Francisco praticando a forma Siu Lin Tau- Siu NIm Tao em sessão particular)
    (Francisco Playing the Siu Lin Tau Form - Siu Nim Tao - on a private session

O Sr. Luciano, responsável pelo local, nos recebeu muitissimo bem e aqui cabe nosso agradecimento especial á este que já se tornou um grande amigo e parceiro de trabalho.

O resultado disso é notado pelo crescimento contínuo de nossa turma. Em poucos meses de inicio de trabalho, o interesse pelo Wing Chun aplicado ao combate neste novo local de treinamento (com todas as facilidades de locomoção fica no coração da cidade) tem chamado a atenção do público local.

Mr. Luciano, responsible for the place, welcomed us very well and here is our special thanks to this one who has already become a great friend and work partner.


The result of this is noticed by the continuous growth of our class. Within a few months of starting work, the interest in Wing Chun applied to combat in this new training location (with all the locomotion facilities is in the heart of the city) has attracted the attention of the local public.


A tendência é que o trabalho floresça e cresça neste mesmo ritmo. Se você amigo leitor, quiser saber mais á respeito, entre em contato pelo nosso site oficial:

www.bwcarecife.wix.com/instrutordido

O clube dos oficiais da PM e CBM de Pernambuco está localizado na Av João de Barros, 357, na Boa Vista, no centro da Cidade.

The tendency is for the work to flourish and grow at the same pace. If you are a reader, you want to know more about it, contact us through our official website;

www.bwcarecife.wix.com/instrutordido 

The PM and CBM officers' club of Pernambuco is located at Av João de Barros, 357, in Boa Vista, in the city center.

 
(Um dos nossos mais novos videos, já no novo local)
(One of our newest videos, already in the new location)
Até a próxima
 See you




Dido
Discípulo particular do SiFu Marcos de Abreu em PE
 
Dido
Privative disciple of Master Marcos de Abreu in PE

quinta-feira, 10 de maio de 2018

Artigo Especial com SiFu Lo Man Kam

The Dido's Blog returns with special article. This time, we reproduct a good interview with SiFu Lo Man Kan to New Hero magazine. We Hope that you enjoy it.

 

Special Interview with Wing Chun Grand Master Yip Man’s Nephew, Sifu Lo Man Kam in Taiwan

by New Hero Magazine
A Retired Army Major – The first person to bring Wing Chun Kung Fu to the Taiwan public


In 1950, Grand Master Yip Man began teaching Wing Chun at the Kowloon Mess Union. His early followers at that time included Leung Sheung, Lok Yiu, Cheu Sheung Tin, Jiu Wan, Yip Bo Ching, and others. However, not many know that Lo Man Kam, Yip Man’s nephew through his oldest sister, also began studying Wing Chun at that time, training with Leung Sheung and Lok Yiu on the rooftops of the Mess Union, along with another student, Yip Man’s good friend, Lee Ming. From the Mess Union, Grand Master Yip Man moved his school to Hia Ten Street, Lee Da Street, and later Lee Jenwou Village.  For nearly 10 years, wherever Yip Man moved, Lo would always follow.


Kung Fu brother reunion
First row – (L to R) Cheu Sheung Tin, Yip Chun, Lok Yiu, Lo Man Kam and Sam Lau.

Then in 1960, persuaded by his uncle, Sifu Lo moved to Taiwan to enroll in military school. Over 3 years special forces training, he learned many kill techniques, defense tactics, and other martial arts skills like Judo and Chin-Na Shou for close-quarters combat. After graduating from military school, he was assigned to serve at a special union and, due to the nature of his job, frequently had chances to utilize Wing Chun and other martial arts skills that could be combined together to form a very unique close range combat system. As a result, though Sifu Lo left Hong Kong, his Wing Chun never became rusty, much like the old Chinese saying “Kung-fu always stays with you.”  During his time in Taiwan, Sifu Lo also had a chance to meet his kung-fu brothers such as Lok Yiu, Jiu Wan, and Sam Lau.
After meeting with his cousin, Yip Chun in Taipei in 1974, he was encouraged to develop and spread Wing Chun in Taiwan.  Shortly after retiring from the Army as a Major in 1975, Sifu Lo opened his first school in Taipei. Before long, the Chinese kung-fu action star Bruce Lia also joined his school, training under him and even cooperating on a few kung-fu movies together. Since that time, Sifu Lo has always kept his school open to the public, making teaching his full-time job, career, and mission.  Almost every day and every night has been focused on developing and maintaining the high standard of Yip Man’s Wing Chun in Taiwan.

Sifu Lo’s Wing Chun school in Taipei, Taiwan

In October 1975, Sifu Lo accepted his first foreign student, Daniel Duby, a son of a chief of police from the French island of Réunion. Having a foreigner come to Taiwan study kung-fu was quite unusual, since Taiwanese society was very conservative. As such, the Taiwanese Foreign Affairs and Overseas Compatriot Affairs Commission helped and provided all necessary support to Sifu Lo and Daniel Duby.  Publicity about Sifu Lo’s kung-fu school spread and became hot news, as this was the first Taiwan school to open its doors to foreign students of Chinese Kung Fu. Taiwan would gradually become more accessible to the rest of the world, with many people coming to do business, study Chinese, or even teach English.  And because Sifu Lo had studied at the Hong Kong Wan Chai English College, teaching kung-fu to foreigner was never a problem for him.

Sifu Lo with his foreign and local students.

Word spread quickly of his enthusiastic teaching, with many foreigners desiring to study Chinese kung-fu coming just to him, until it made Sifu Lo’s school what might be described as a kind of kung-fu “United Nations”. Aside from Hong Kong and Macao, students have come from the US, Germany, France, England, Switzerland, Belgium, Norway, Sweden, Denmark, India, Saudi Arabia, and many more to study Wing Chun under Sifu Lo.  As a result of his “Kung-fu UN,” tournaments in Taiwan steadily became popular.  Whenever a foreign team has visited Taiwan, Sifu Lo has always been on the panel of ambassadors represents Taiwan.  Even early on, when former Hong Kong Chinese Martial Arts Association chairman So Yuen would bring tournament participants over, he would always pay a visit with Sifu Lo, while also getting together with other Sifus and mutual friends like Lo Kay and Xie Kwong Yin.

Some readers may remember an article from Yip Chun mentioning Sifu Lo’s having provided some help to Mr. Deng Sheng (a former Hong Kong Chinese Police Detective and the first chairman of the Wing Chun Athletic Association). When we asked sifu Lo about the matter, he would only say that it was just “a little favor” without any need to talk about it.  It turns out that small favor was providing help not just to Mr. Deng Shen, but also to all his police colleagues when they came to Taiwan, including Chan Kam Pui, Chan Jiang, Fai-Zhai B, and Chan Xin, with whom he has since become good friends.  When Mr. Deng Sheng was injured in a horse-riding incident, Lo provided physical therapy for him every day.  From what we’ve heard, Sifu Lo has always had a good relationship with people in Taiwan, ever happy to help without promise of return.   But though he is very proficient in Chinese medicine and physical therapy, he nevertheless chose not to focus on such skills for a career, opting instead to follow his passion and spread Wing Chun throughout Taiwan and the world, which he believes is the best way to thank his uncle, Yip Man, for the many years of teaching and encouragement, as well as his cousin Yip Chun for his support, which has led to Sifu Lo being the only Wing Chun master in Taiwan.
The long years of Taiwan Special Forces training have helped Lo fit the old Chinese proverb, “Once you move, I will move faster; and my power will be like the mountains coming to you.”  By applying his own theories to kung-fu, he has also been able to create a unique style, underlining Yip Man’s saying that, “Kung-fu has no life of its own, a person must bring it to life.”  Within this style is a key concept that one should always stick with and control an opponent at every chance, never letting go and always following-up, even if one needs to throw or apply joint-locks.  His moves, techniques, and training methods were loved enough by Europeans that, over time, they began to call it “Lo Man Kam Wing Chun”.   Sifu Lo says of his methods, “It is fighting with Wing Chun theories and not giving slack, once on the attack.”
Developing training with hand-to-knife combat


Sifu Lo has also taken aspects of other styles and combined them with Wing Chun “sticky hands” techniques, often favored by intelligence and law enforcement personnel for their effectiveness, and passed them to his son, Gorden, which led to his being selected to join the Army’s martial arts team and act as an assistant instructor. After a 1991 speech at the Taiwan National Police Agency First Headquarters on the topic of “How to promptly restrain a criminal with police defense tactics,” Sifu Lo was immediately invited by general commander Lu from the 1st Headquarters to be an instructor on defense tactics.  The special training courses he conducted during that time actually utilized real 45cm long machetes and US military combat knives, because he felt that “Frontline law enforcement needs to have very good skills and realistic experiences to react to; and this is the first time this kind of realistic training was given in Taiwan.”
Later, a major break-in in Kaohsiung showed the police to be under-prepared, and so Sifu Lo was assigned to make a proposal to create a national SWAT team.  He was put in charge of all police defense tactics, including hand-to-hand and hand-to-weapon combat.  The outstanding outcome of the training resulted in Lo’s being invited to teach at the Taiwan Investigation Bureau for 10 years.
In 1993, general commander Lu was promoted to preside over the Taiwan Police College, so again he invited Sifu Lo to teach at the Police College, as well.  By now, Lo’s son Gorden had finished his military service and, with his added Wing Chun skill, was also qualified to help his father there as an assistant instructor.  From the experiences gained there, Gorden improved his skills and has since accompanied his father many times to teach police groups and Wing Chun seminars overseas.
Over in the US, another good friend and kung-fu brother of Sifu Lo, is Sifu Duncan Leung who, similarly, had developed a very good relationship with law enforcement departments over there.  While Sifu Lo was master instructor at the police college, Sifu Duncan brought the Virginia Beach City Chief of Police to Taiwan for a visit. The American police chief was impressed with what he saw and praised the demonstration and training highly, as it was so different from other methods.  Sifu Lo has always felt that Sifu Leung had given him a great favor, because of the professional recognition in America that this visit brought to him.
The first Chinese to be Sifu to an Emperor
To be Sifu to an Emperor is surely an admirable goal to reach for, because one must be unique, special, and selected from thousands to have such an honor.  In ancient China, such a position would be something higher than an imperial bodyguard.  An opportunity like this opened itself up one day in early 2001, when he received a call from the Brunei embassy in Beijing.  Someone there had seen or heard of a National Geographic program interviewing him that covered the special training he provided to the Taiwanese national SWAT team.  So, after some organization and paperwork, Sifu Lo flew to Brunei.  Two diplomatic officers received him at the airport and took him to his hotel for a short rest, after which a limousine came by and drove him to the Sultan’s palace.  He was informed that his student would be the Sultan’s younger brother.   They would train nearly every day for a period of time.

Sifu Lo and Emperor of Brunei

The Sultan himself was in England and unfortunately was not able to meet him that time, but the opportunity arrived in July 2006, when Sifu Lo was invited to the Queen’s Gym, where he presented his book “Police Kung Fu” to the Sultan.  After some conversation, the Sultan set up a training schedule for him to practice Wing Chun and some special moves with Sifu Lo.  The next day, when the Sultan arrived for training, he also brought his bodyguard and requested that he first spar with Sifu Lo a little.  Despite having anticipated that this kind of situation would happen, he realized there really was no way to avoid it.  As the Chinese say, “If I don’t have the skill and the courage, I will not approach the warriors of Leung Mountain.”  The bodyguard initiated and Sifu Lo countered with Wing Chun techniques, unequivocally striking him, then changed techniques to follow-up, rolling his body out of range, and returning to a fighting stance.  When the man’s next move came, Sifu Lo applied more Wing Chun fighting theories: attacking to defend; covering and controlling; and giving and taking by use of the opponent’s power until finishing the fight with the famous chain-punch and chase once the man’s guard was down.  The moves left a good impression, everyone saved face, and no one was hurt.  The Sultan now knew and trusted Sifu Lo’s skills more and began his training under him immediately.  Thus was how Sifu Lo Man Kam became the first modern kung-fu Sifu to an emperor.
The first Chinese to instruct the US Army
That Yip Man’s nephew could be an instructor on defense tactics and martial arts to the most powerful country in the world must mean that he has something unique and special. But it should come as no surprise, after following his uncle’s Wing Chun for 10 years, then completing years of Special Forces training in Taiwan. He has a deep understanding and comprehension of martial arts and has never relented in his studies. His theories and books have been widely recognized and published in Chinese, English and Russian.
Since the beginning of the Iraq war, US soldiers have known they would be in danger in situations of close-quarters fighting. In 2004, Sifu Lo was invited and flew to the US Army’s 284th Base Support Battalion in Germany as close combat instructor.  Historically speaking, this may make him the first Chinese martial arts instructor to instruct the US Army.  Sifu Lo’s close range fighting system of choice for their Military Police (Most soldiers deployed to Iraq receive this training for their duty there).  This was a great honor for Sifu Lo and even more so, as they also look forward to having him return to train with them again.
Registering the name and spreading the art

Sifu Lo and his son Sifu Gorden

Due to his wide success and recognition, Sifu Lo and his son Sifu Gorden decided to legally register and establish the Lo Man Kam Wing Chun Kung Fu Federation in Taiwan.  From there, they began to build and extend their organization in the US and Europe, and conduct yearly seminar tours.  The 2006 seminar in Paris was a great success, hosting not only the local French, but also Wing Chun groups from Germany, Holland, Belgium and USA, who came to participate and train. Attracting people from five countries for a seminar is no simple feat, adding it to the list of Sifu Lo’s accomplishments.  He also has given a few seminars in Hungary, with more participants joining each time, beginning with some 60 people, increasing to over one hundred, a lofty goal many kung-fu instructors strive for and look forward to.
Grand Master Yip Man’s Wing Chun Kung Fu has gained worldwide fame and success, but it should not be allowed to stagnate.  Later generations must continue continue to spread it even further.  That Sifu Lo has himself garnered so much recognition really owes to his following in the footsteps of Yip Man and his principal that, “Kung-fu has no life of its own, a person must bring it to life.”  Similarly, Sifu Lo Man Kam has passed his skills and his successful experience to his son and Yip Man’s grand-nephew, Sifu Gorden Lu,   now the third generation from the Yip Man family.  Sifu Gorden has already made successful strides in teaching and developing Yip Man Wing Chun in the US, with his personal position following the Chinese proverb, “The importance is not on the first to begin his studies, but on the first to reach his goals.”





That's all folks.
 
See you.



Dido
Privative disciple of Master Marcos de Abreu
 

quarta-feira, 25 de abril de 2018

Nosso dia á dia de treinamento - It will be translated

Uma rotina de treino muitas vezes é condicionada á horários agendados e que dependem em muito do momento propício para a prática. Nem sempre se dá pra seguir uma rotina na verdade, ou muitas vezes, quando menos se espera, já estamos praticando fora do horário ou local regular. No entanto, uma programação de treinamento , principalmente nos primeiros meses, é importante para que se possam criar uma boa fundação e criar bons hábitos.

Nossos treinamentos seguem uma rotina fixa e que as vezes, muito ás vezes,quebramos um pouco pra ter um pouco de diversão. As vezes também costumo fazer videos com técnicas que não treino formalmente,ou mesmo quando algum aluno pede pra mostrar alguma variação técnica e eventualmente há uma câmera ligada,então filmamos. Mas normalmente não filmamos o dia-á-dia ''real''. O que treinamos de forma regular, fica reservado para nossa escola.

Ao contrário da maior parte das escolas, uma das coisas que temos em nossa rotina de treino é música; Quando Jimi Hendrix ou qualquer outro guitar hero está solando, praticamos em silêncio...rs. Mas nosso dia á dia de treinamento segue alguns ritos antes de começar que sugerem o respeito pelos ancestrais e pelos nossos mestres. Uma rotina simples, porém que exige zelo.

Então, quando todos chegam, nos aprontamos e após uma conversa rápida,iniciamos o nosso treino do dia;

Normalmente nossos treinos começam sempre com um bom aquecimento. Em seguida, vamos para os movimentos básicos de base, giro de base, com trocas de guarda, socos e avanços e recuos, com e sem socos. Às vezes usamos manoplas, as vezes não. Yee Jii Kim Yeung Mah, Toy Mah, Hau Mah, Jei Choy,Li Wan Choy, Din Choy e assim por diante...



Em seguida, vamos para as formas. Normalmente começamos com a primeira forma, Siu Lin Tau,que aliás, é a forma que mais gosto de praticar. Aqui, apareço com meu estudante Francisco, durante a prática regular.





Na foto acima, mostro uma parte da segunda forma, Chum Kiu ( ou Cham Kiu). As formas servem para que possamos entender como extrair delas os elementos técnicos necessários para criarmos combinações e técnicas completas.



                                       Eduardo e João trabalham o Tang Chi Sau ( Dan Chi Sau)


 
Logo em Seguida, passamos para o Chi Sau. Na maioria das vezes treinamos o Tang Chi Sau,ou Dan Chi Sau, Chi sau com uma das mãos. Treinamos a rotina técnica e depois, passamos para um estudo mais flúido. Em seguida, pegamos o mais básico do Chi Sau com duas mãos, ou algo de Lap Sau, a depender do enfoque do dia.
 
 
 
 

No meu caso, como ainda alguns de meus estudantes estão pegando os básicos, enquanto eles treinam, eu faço algum exercício no nosso recém construido aparelho de pneu, ou no boneco de madeira, eventualmente, para treinar algum chute mais básico do segundo nível. 
 

 
E ai passamos para os Drills, ou Fighting Drills. Geralmente, começamos com um exercício chamado5 ataques,ou Hooks and Uppercuts, focando o giro da base,a coordenação e outros atributos. Passamos para combinações com Li Wan Choy ( Ver matéria de SiFu) com Tan ou Pak. Às vezes um a um,ou na forma mais básica do Maai Saam Jong, circulo. Todos os combos vistos ainda na primeira fase do sistema Wing Chun.



 
 
Logo depois, passamos para alguns drills mais soltos, e fazemos algum Soft sparring ,ou Timming Sparring, onde um praticante irá atacar o parceiro usando técnicas de outras artes marciais e o outro irá usar as técnicas de Wing Chun treinadas anteriormente. Às vezes contamos os rounds, as vezes não.
                                                               ( Momento do sparring)
 
 
Em seguida, passamos para um crircuito de exercício de força e velocidade usando alguns aparelhos, como bastões e/ou Sa Bao ou toalha.
Logo após o treino, arrumamos a sala e eixamos tudo em ordem antes de apagarmos as luzes e sairmos conversando do nosso local de treinamento.
 
 
Esta é uma pequena parte de nossa rotina de treinamento. Algo muito simples e elementar até, mas muito focado no treino com espírito e coração. Essa é a grande diferença!
 
 

Até a próxima.

Resultado de imagem para blog do dido

Dido
Discípulo particular do SiFu Marcos de Abreu em PE
Particular disciple of SiFu Marcos de Abreu - PE


segunda-feira, 23 de abril de 2018

Artigo de Bruce Lee sobre Chi Sau

Em 1964, Bruce Lee estava prestes a estrelar ''The Green Hornet'', o ''Besouro Verde'' e mais ou menos neste mesmo período, ele escreveu para a revista Inside Kung Fu, um artigo interessantíssimo sobre Chi Sau. Note a menção que Bruce Lee faz a seu mestre Yip Man. O Blog do Dido compartilha as fotos aqui e espera que os amigos leitores apreciem;




'' Chi Sau , a arte das mãos aderentes é um método único de treinamento vindo do estilo Wing Chun, liderado pelo Sr. Yip Man de Hong Kong. Foi do sr. Yip Man que eu aprendi o estilo Wing Chun.

De fato, existem muitos aproaches para a prática do Chi Sau; As vezes a prática serve para afiar a forma técnica, para o correto posicionamento das mãos de forma instintiva como o estilo Wing Chun ensina, ou há a prática como exercício de fortalecimento , enquanto alguns praticam para afiar o senso de toque. Chi Sau é sobre tudo isso e mais. O artigo a seguir é baseado minha interpretação do Chi Sau, o método de Wing Chun das mãos aderentes.''





























Até a próxima.

Resultado de imagem para blog do dido

Dido
Discípulo particular do SiFu Marcos de Abreu em PE
Particular disciple of SiFu Marcos de Abreu - PE

quinta-feira, 12 de abril de 2018

Repensando a logica das diferenças técnicas do sistema wing chun ( Will be translated)

O sistema Wing Chun - 詠春拳 - , sendo a distinção de um sistema marcial  inserido dentro do pensamento clássico chinês e enquadrado no termo ocidentalizado chamado Kung Fu/Gong Fu  - 功夫 tem como uma de suas características a capacidade de permitir que o praticante possa explorar suas possibilidades, dentro de um sistema que aparentemente tem uma estrutura fechada, mas que em verdade, admite variações inúmeras.

Apesar das inúmeras vertentes e das inúmeras famílias derivadas do grande Clã de Chung Si (宗師) Ip Man ( 葉問) serem totalmente diferentes entre sí, enquanto outras guardam semelhanças tanto nas questões técnicas e conceituais, este tipo de fenômeno na verdade é encarado com muita naturalidade pelos chineses. Ao contrário do que acontece no Brasil, onde estilos de mesmo nome, mas de ramificações e estruturas metódicas diferentes são consideradas antagonistas umas as outras, na china, nem sempre essas variações e diferentes entendimentos sobre a mesma arte são antagonistas - e isso tem um motivo.

A ideia de sistema para os chineses (Hai Tong - 系 統), mesmo sendo dentro de uma concepção aparentemente fechada, admite possibilidades de exploração e variação que extrapolam a ideia de uma possibilidade final restritiva. Em um Kuen Sut (拳術 - sistema marcial ), isto também pode ocorrer, pois  a partir de uma ideia simples, você pode vir a explorar possibilidades e desdobramentos que são derivados desta ideia principal ou inicial, chegando a resultados que podem não ser totalmente enxergados num primeiro momento, ou ocultos em sua essência, mas que ad-virão futuramente, indo de um pólo á outro, transitando entre um extremo e outro.

Resultado de imagem para Ip Man Wooden Man
(Chung Si Ip Man em demosntração no Muk Yan Jong)

Exemplificando dentro da visão e do âmbito das movimentações mais práticas; Tomemos como exemplo os movimentos contidos na forma Siu Lin Tau ( 小念頭 -Siu Nim Tao), a primeira e mais importante dentro do sistema. Nela, temos um movimento chamado Pak Sau; Este movimento, na forma, se caracteriza por ser um  movimento de ''tapa'', partindo do centro do corpo, até a extensão natural dos ombros. O contexto a qual eu irei utilizar esse movimento, dentro de determinados seguimentos de combate, visando determinados tipos de situações, mediante um estudo prévio é o que irá me fazer explorar seus desdobramentos e variações; O resultado que advirá deste processo, fará com que esse movimento, inicialmente visto como um movimento simples, inserido simbolicamente na forma, poderá aparecer em diferentes maneiras de se executar e que poderão, estar esteticamente distantes deste movimento ''original'' visto na forma, e ainda mais, isto nos exemplifica a importância de se entender em que tipo de contexto originalmente a técnica aparece, porque ela aparece em determinado ''tempo'' da forma, o que vem antes e depois dela e quais são as suas variantes já inseridas dentro da forma, além da importância em entendermos como isso será extraído da forma para a maneira de execução em combate e em que situações ela NÃO será executada.
 Resultado de imagem para yuen kay san wing chun
(Um praticante da linhagem Yuen Kay San executa movimentos contidos nas três formas do sistema Wing Chun; diferenças técnicas de outras linhagens?)

Tudo isso e muito mais será refletido e re-pensado dentro das perspectivas em diferentes situações e ambiências, do próprio praticante, porque a arte não exclui o ser humano. Afinal, ele é o veículo a qual a arte será expressa. Por isso mesmo, o mesmo tipo de kung fu, executado por pessoas diferentes, produzirão resultados diferentes. Formas e maneiras diferentes de expressões. Não teria sentido nenhum então destinar tanto tempo para apenas repetir padrões sem explorar a capacidade individual de uma pessoa, enquanto artista marcial.

Portanto, o sistema Wing Chun em realidade admite que não existem maneiras ''erradas'' ou ''certas'', mas sim diferentes maneiras apropriadas de se executar tarefas e elas, devem ser exploradas dentro das possibilidades apresentadas em um determinado contexto apresentado, atribuindo para sí a capacidade resiliente de adaptação e prontidão. È importante re-pensarmos, por exemplo,  quando muitos dos ditos ''SiFu'', ou mesmo praticantes não formais do estilo, comentam vídeos de outras pessoas,livros ou entrevistas com frases do tipo ''Isto está errado'', ou ''Ele não sabe Wing Chun de verdade, porque eu aprendi o jeito certo!'', para que não tomemos isto como forma de conduta restritiva que irá, por fim, cercear a nossa capacidade de aprender mais e mais, já que, como diz SiFu; - ''O seu conhecimento ninguém é capaz de roubar!''.

Na maior parte das vezes, justamente quando alguém comenta algo do tipo na intenção de trazer pra sí a ideia de que supostamente sabe mais que o outro, na verdade, só mostra o quão imaturo é na arte e o quanto está distante de conhecer sobre a arte de forma aprofundada.

 Estar aberto á possibilidades e entender as diferentes maneiras de se encarar uma perspectiva diferente da sua é uma base inicial para entender dois processos importantes;  O primeiro , que não importa saber lidar com determinadas situações, no sentido de se ter respostas prontas para tudo, o que é utópico, principalmente se estas estiverem enraizadas na ideia de que ''se meu oponente faz isso, eu faço aquilo o outro'', ou como eu menciono aos meus alunos '' resposta padrão''. Mas de estarmos relaxados e prontos para enxergar aquilo que advirá e que não foi devidamente percebido, apre-endendo com o outro á partir do momento em que eu presto mais atenção nele do que apenas em meu ponto de vista . O segundo, entender o comportamento e as tendências que a demanda do tempo e da época em que estamos vivendo e de cada situação cotidiana se apresentam e como nós agimos e reagimos á elas. O que é mais comum hoje em dia do que justamente as pessoas criticarem outras, em detrimento de uma determinada opinião? O que é mais comum hoje em dia que um mesmo estilo apresentar tantas variantes e ao mesmo tempo em que se trata de um mesmo grande clã, serem tão dispares uns dos outros?O que é mais comum hoje em dia do que as pessoas viverem de maneira ''automática'', trabalhando de maneira automática, repetindo padrões o tempo todo?

È dentro dessa visão, onde cada um de nós, mesmo seguindo o seu caminho, proposto e baseado dentro de suas objetivações marciais e individuais, sem que, ainda assim, se possa excluir as demais outras possibilidades de se pensar e repensar sobre a sua arte e apre-ender para si, algo de valor, que  este artigo se trata. O quão é difícil lidarmos com o diferente. Porque nós somos diferentes uns dos outros e vencer a tendência de exclusão da visão do outro é extremamente difícil, dentro de uma sociedade onde o mais importante é o centralizar do ''eu'' ou do ''meu''. È claro que a experiência pessoal individual é extremamente importante e dentro dos conceitos e pré-conceitos do estudante, irá forjar a sua visão do sistema. Mas toda  a experiência adquirida deve estar embasada no sistema, e não em opiniões próprias! È preciso praticar diligentemente e entender os pontos chaves do sistema,como extrair a partir da estratégia intrínseca de cada movimentação, concebida através da conjunção dos elementos técnicos advindos das formas,para o comportamental,para o cotidiano e ir um pouco mais além do que meramente repetir técnicas; O desafio é forjá-las,refiná-las através da pratica e manifestá-las, transformá-las em parte do próprio praticante.
Resultado de imagem para moy yat
(Grão Mestre Moy Yat)

Nas artes marciais chinesas, vence não quem tem mais habilidade, ou quem é mais agressivo...mas sim quem tem maior capacidade de adaptação ao outro. Claro que em se tratando de combate, isto também conta junto com outros tantos elementos. Mas quanto mais você buscar entender sobre o seu adversário, seu jogo e souber se adaptar a isso, mais chances você terá de ser bem sucedido. Por isso mesmo, as técnicas do sistema Wing Chun MUDAM conforme o avanço do oponente. Talvez essa seja uma das possibilidades de interpretação do aforismo atribuído a GrãoMestre Moy Yat quando ele diz que;

- ''Kung fu sem sistema,não é bom kung fu.
   Kung Fu que depende de um sistema tamém não é bom kung fu.''








Resultado de imagem para blog do dido

Dido
Discípulo particular do SiFu Marcos de Abreu em PE
Particular disciple of SiFu Marcos de Abreu - PE








segunda-feira, 2 de abril de 2018

Blog do Dido recomenda: Wing Chun Kung Fu - Marco Natali



Resultado de imagem para wing chun marco natali

Este é um dos clássicos em português sobre Wing Chun já lançados no Brasil da década de 80;

''Wing Chun Kung Fu - o mais simples e eficiente dos estilos de Kung Fu'' apresenta um conteúdo teórico bem interessante e técnicas bastante primárias do sistema Wing Chun com fotos explicativas e detalhadas. Òtimo para quem quer ter uma ideia de como eram os treinamentos da UNK - União nacional de Kung Fu, do mestre Marco Natali naquela época. Vale a leitura.




    













Dido
Discípulo particular do SiFu Marcos de Abreu em Recife-PE-Brasil


Dido
Private disciple of SiFu Marcos de Abreu in Recife-PE-Brazil

quinta-feira, 22 de março de 2018

Dicas de como inserir o treinamento no dia-á-dia

(Durante o treino regular semanal, Eduardo ataca com um roundhouse kick, enquanto eu cubro com Kwan Sau avançando)
(During regular weekly training, Eduardo strikes with a roundhouse kick, while I cover with Kwan Sau advancing)


Muitas vezes, sou abordado por meus alunos/parceiros de treino com uma frase bem recorrente;

- ''Dido, eu não tenho tempo pra treinar quando não estou vindo para as sessões regulares. Sinto meu desenvolvimento lento. Como posso fazer para ter um aproveitamento melhor?''

Often, I am approached by my students / training partners with a very recurrent phrase;


"Dido, I do not have time to train when I'm not coming to regular sessions. I feel my development slow. How can I do to have a better use? ''



Não é diferente; Essa é uma tendência comum acreditar que a prática em momentos programados pode não ser o suficiente. Mas mesmo as prática em momentos oportunos ( fora da programação regular e treino) também podem não ser o suficiente. Na verdade, o ideal é conjugar tanto os momentos de prática regular quanto nos momentos onde a oportunidade de exercitar um determinado aspecto do sistema aparece.
A ideia de lentidão de desenvolvimento não é algo incomum. Muitas vezes, eu mesmo sinto que não estou desenvolvendo bem uma determinada ideia, conceito ou mesmo algum movimento em específico. Na verdade, não importa, de todo. A grande questão é que se você não praticar nada, não conseguirá chegar onde quer e muitas vezes, o imediatismo, a pressa, o desejo de chegar num ponto onde queremos estar e que parece tão distante de nós, muitas vezes só atrapalha.

Is no different; This is a common tendency to believe that practice at scheduled times may not be enough. But even practice at the right time (outside of regular programming and training) may not be enough. In fact, the ideal is to combine both moments of regular practice and moments where the opportunity to exercise a certain aspect of the system appears.

The idea of slow development is not unusual. Often I feel that I am not developing a particular idea, concept or even some specific movement. It does not really matter, at all. The big question is that if you do not practice anything, you will not be able to get where you want and often, the immediacy, the rush, the desire to get to a point where we want to be and that seems so far from us, often only disturbs.


Por isso mesmo que relaxar, tirar o peso da mente e não ''bitolar'' com a ideia obsessiva de querer ''ter'' aquela técnica tão almejada ou o entendimento pseudo-superior marcial ( ou qualquer besteira dessas) é o primeiro passo. O segundo passo é mais simples ainda; Entender que aquele básico que você ACHA que já dominou, que parece ''fácil demais'', ou que você já viu um milhão de vezes, é exatamente aquele que você mais deve investir, dispender mais tempo praticando e que isso é o que fará você alavancar quando tiver algo ''advanced'' para aprender...Vai parecer que você já fazia aquilo desde quando criança...

SiFu sempre me disse que - ''Um bom básico, fará um bom avançado!''

E nisso eu entendo que aproveitar o seu tempo nesses básicos vale muito mais do que tentar fazer/treinar algo que não se compreende direito. Claro, muitas vezes você quer tentar algo novo, quer testar sua coordenação, seu timimg, mas isso não deve ser o motivo principal e nem o motor para que você avance na arte. Talvez funcione mais como um ''preview'', mas ainda sim, se você não tiver a consciência de que tudo que você pratica tem a finalidade de criar ''hábitos'', isso irá lhe prejudicar de alguma forma.

For this reason, even if it is relaxing, to take the weight of the mind and not to "bite" with the obsessive idea of ​​wanting to "have" that long-sought technique or pseudo-superior martial understanding (or any such bullshit) is the first step . The second step is simpler still; Understand that the basics you think you've mastered, that seem '' too easy, '' or that you've seen a million times, are exactly the ones you should invest the most, spend more time practicing and that's what you'll do you leverage when you have something 'advanced' 'to learn ... It will seem like you've done it since you were a child ...

SiFu always told me that - '' A good basics, it will do a good advanced ''

And in this I understand that enjoying your time in these basics is worth much more than trying to do / train something you do not understand right. Of course, many times you want to try something new, either test your coordination, your timimg, but this should not be the main reason or the engine for you to advance in the art. It may work more as a preview, but still, if you are not aware that everything you do is meant to create 'habits', it will hurt you in some way.


Nada é mais comum entre praticantes regulares de kung fu que não tem disponibilidade de prática em momentos que não sejam os oportunos do que a falta de tempo e essa é a desculpa preferida que 90% dos caras usam para não treinar ou abandonar escolas. Mas, sempre há um jeito de se fazer as coisas e muitas delas, só a vontade de querer fazê-las, não é suficiente. Mas uma de minhas frases favoritas é ; Quando se quer, se faz! Pouco importam as circusntâncias,quem quer, dá sempre um jeito, ou pelo menos, tenta, terá a mesma validade,pois o empenho,a atenção e o zelo estará lá.

Sendo assim, algumas idéias de como praticar ou manter-se em atividade que possam ajudar no desenvolvimento daquele pequeno básico, que aparentemente não tem muita importância, mas que na verdade é TODO O DIFERENCIAL, podem ser colocados em prática agora mesmo, enquanto você está lendo essas tortas linhas...

Nothing is more common among regular kung fu practitioners who do not have practice availability at times that are not timely than lack of time and this is the preferred excuse that 90% of guys use not to train or drop out of school. But, there is always a way to do things and many of them, just the will to want to do them, is not enough. But one of my favorite phrases is; When you want, you do it! No matter the circumstances, whoever wants, always gives a way, or at least tries, will have the same validity, because the commitment, attention and zeal will be there.


So, some ideas of how to practice or keep up that can help in the development of that little basics, which seemingly does not matter much, but which in fact is ALL THE DIFFERENTIAL, can be put into practice right now while you are reading these poorly drawn lines


Resultado de imagem para siu nim tau
  • Ao menos uma vez ao dia, pratique o Siu Nim Tau ( Ou se você não pratica Wing Chun mas outro estilo, pratique a forma mais básica que você conheça),ou algum exercício isolado como treino de base, troca de guarda,etc, sempre que tiver chance.

  • Ao vestir uma calça, ou amarrar seus sapatos,por exemplo, treine seu equilíbrio, permanecendo em uma perna só, evitando ficar sentado para fazê-lo.

  • Ao caminho para seu trabalho, estacione seu carro ou desça no ponto de ônibus um quarteirão antes do seu destino e caminhe um pouco.
• At least once a day, practice the Siu Nim Tau (or if you do not practice Wing Chun but another style, practice the most basic form that you know), or some isolated exercise such as basic training, whenever he has the chance.

• When wearing pants, or tying your shoes, for example, train your balance by staying on one leg, avoiding sitting down to do so.


• On the way to work, park your car or get off at the bus stop one block before your destination and walk a little.

Resultado de imagem para caminhada

  • Alongue-se enquanto estiver sentado em seu escritório ou mesa.
  • • Stretch while sitting in your office or table.
Resultado de imagem para alongamento na empresa
  • Dê preferência as escadas,ao invés do elevador.
  •  Choose stairs instead of the elevator.

  • Preste atenção ao seu corpo enquanto você dirige, digita ou escreve... ou toma um cafézinho antes do almoço; Repare as partes que se tencionam desnecessariamente e as relaxe.

  • Imagine, onde quer que você esteja, que subtamente você está sendo atacado; Que tipo de reação você teria?

  • O que você poderia fazer e não está fazendo, a partir deste exato ponto para antecipar e evitar uma situação de conflito? Como seu corpo está posicionado agora?

• Pay attention to your body as you drive, type or write ... or have a cup of coffee before lunch; Repair the parts that are unnecessarily intended and relax them.

• Imagine, wherever you are, that you are subtly attacked; What kind of reaction would you have?

• What could you do and not do, from this exact point to anticipate and avoid a conflict situation? How is your body positioned now?


Apesar de tudo, essas são pequenas atitudes que podem ajudar a não deixar o corpo e a mente ''parados''. Lembre-se que a prática formal ainda é o melhor caminho e que aquele clichê que diz que uma longa jornada começa com um simples passo, é verdade sim.

Façamos o seguinte; Porquê GASTAR tempo se podemos APROVEITAR o tempo, hãn? Invista pacientemente em seu Kung Fu e procure entender que isso fará uma diferença enorme e epero, traga á você amigo leitor, bons resultados...Talvez não hoje, não amanhã...talvez você nem perceba quando, mas quando menos perceber, já estará onde sempre quis estar.

After all, these are small attitudes that can help to keep the body and mind "standing still." Remember that formal practice is still the best way and that cliché that says a long journey starts with a simple step, it is true.


Let's do the following; Why SPEND time if we can take the time, huh? Invest patiently in your Kung Fu and try to understand that this will make a huge difference and yet, bring you friend, good results ... Maybe not today, not tomorrow ... maybe you do not even know when, but when you least notice it, already will be where I always wanted to be.





Resultado de imagem para blog do dido

Dido
Discípulo particular do SiFu Marcos de Abreu em PE
Particular disciple of SiFu Marcos de Abreu - PE